Freios de carro: tipos, características e cuidados essenciais

O sistema de freios de carro é um dos elementos mais primordiais para garantia de segurança durante a condução. Por isso, é muito importante que o motorista siga à risca as recomendações de manutenção, para certificar-se de que o sistema esteja em plena eficiência. 

No texto a seguir vamos apresentar algumas informações importantes sobre os freios de carros. Você vai descobrir quais são os tipos mais comuns no Brasil, entender mais sobre o funcionamento do sistema, além de saber quando é o momento certo para fazer a revisão. 

Vamos lá? 

Tipos de freios de carro

No Brasil, geralmente um veículo padrão é composto por um sistema de freio a disco na dianteira, e por freios a tambor no eixo traseiro. 

Entenda melhor como funciona cada um desses sistemas: 

Freios de carros a disco

O sistema funciona a partir de um disco, que fica acoplado ao cubo da roda. A frenagem ocorre através do contato deste elemento com as pastilhas de freio, provocando então a desaceleração das rodas. 

As pastilhas são montadas dentro das pinças e estão ligadas à suspensão do veículo. Já o disco de freio está conectado ao eixo do carro. 

No momento em que o motorista aciona o pedal, o fluido de freio do cilindro mestre será bombeado para os outros componentes do sistema de freios do carro. Este movimento faz com que as pinças empurrem a pastilha contra o disco, o que por sua vez resulta na redução do giro da roda. 

Freios a tambor

É o sistema de freios que fica no eixo traseiro dos veículos de passeio. São compostos pelos seguintes elementos: tambor, sapatas, pistões e molas de retorno. 

Ao invés dos discos, esse sistema conta com tambores acoplados à roda. E ao contrário do que acontece com o sistema apresentado anteriormente, aqui o acionamento se dá através da alavancagem, o que faz com que o fluido hidráulico movimente os calipers e as sapatas contra a parede interna do tambor. 

No momento em que o motorista aciona o pedal uma pressão é transmitida pelo fluido de freio em direção ao cilindro, que por sua vez contém os pistões. Este último elemento é responsável por empurrar as sapatas, em direção oposta, contra a parede interna do tambor, que gira juntamente com as rodas. 

Sistemas ABS e ESC

Os sistemas ABS e ESC são mais recentes no mercado automobilístico, porém, vários veículos no país já contam com este tipo de tecnologia. 

  • ABS (Anti-lock Braking System): este sistema funciona através de sensores que estão presentes nas rodas. A tecnologia tem objetivo de evitar o travamento repentino e derrapagem das rodas, sendo acionado pelos sensores em situações de emergência. 
  • ESC (Electronic Stability Control): também atua através de sensores, sendo estes responsáveis por manter a estabilidade e corrigir a trajetória do automóvel em situações de curvas, desvios e até frenagens bruscas. 

Componentes do sistema de freios de carro

Fizemos uma lista com os principais componentes que fazem parte do sistema de freios de carro. Olha só: 

  • Pedal: é a parte de contato do motorista com o sistema de freios. Quando pressionado, o pedal irá bloquear as rodas do veículo;
  • Alavanca: este componente provoca apenas a frenagem das rodas traseiras do veículo. O freio de mão é o responsável pelo acionamento da alavanca;
  • Disco de freio: componente está conectado às roda do veículo, e tem função de desacelerar e parar o automóvel quando um material abrasivo é pressionado contra ele;
  • Tambor: componente presente apenas nas rodas traseiras e também tem a função de gerar atrito para desacelerar o carro;
  • Pastilhas: o componente trabalha em conjunto com o disco de freio para gerar atrito para desacelerar e parar o veículo. Geralmente trabalham em pares e cada roda possui um dispositivo de frenagem;
  • Lona: também é um componente de atrito para a desaceleração, entretanto, a lona equipa apenas os sistemas de freio a tambor;
  • Pinça: faz parte do sistema de freio a disco e serve de proteção para as pastilhas, sendo responsável por pressioná-las contra o disco através de um cilindro hidráulico com pistões internos;
  • Sapata de freio: fazem parte do sistema de freio a tambor e tem função de apoiar as lonas de freio, ou seja, serve como um suporte;
  • Servo freio: funciona como um multiplicador de forças, ou seja, ele vai aumentar e distribuir da forma corre a força exercida pelo pedal através do diferencial de pressão. Sua ação se dá em decorrência do vácuo gerado pelo motor;
  • Cilindro de roda: faz parte do sistema a tambor e atua na movimentação das sapatas, sendo portanto o atuador do sistema de freio;
  • Cilindro mestre: é o componente responsável por converter a força mecânica em pressão hidráulica;
  • Fluido: é o componente responsável pela transferência adequada de movimento, fazendo com que o sistema hidráulico trabalhe corretamente;
  • Cabo de freio: faz parte do sistema da alavanca. Quando esta é acionada, o cabo será responsável por movimentá-la juntamente às sapatas, que então serão pressionadas contra o tambor de freio. 

Manutenção do sistema de freios de carro 

A vida útil do sistema de freios de carro pode depender de diversas variáveis como o tipo de veículo, estilo de condução do motorista, se o seu uso é feito mais na cidade ou na estrada etc. 

Como os freios são fundamentais para garantia de segurança durante a condução, é muito importante que você faça a revisão do seu carro regularmente, e fique atento aos sinais de desgaste. 

Especialistas recomendam que a manutenção dos discos, pastilhas e tambores seja realizada a cada 10 mil quilômetros rodados. E o fluído do freio deve ser trocado todo ano. 

Troca das pastilhas

Geralmente são componentes que apresentam um alto desgaste, por isso é preciso ficar atento. De acordo com o Centro de Experimentação e Segurança Viária do Brasil (Cesvi-Brasil), a espessura das pastilhas não podem ser inferiores a 2mm. A partir desta marca a eficiência da frenagem já fica comprometida. 

Geralmente quando as pastilhas chegam a esse limite, o veículo passa a emitir um barulho quando o freio é pressionado. Ou seja, é sinal de que não há mais proteção das peças e as partes metálicas estão encostando, o que pode causar uma pane total no sistema. 

Troca dos discos de freio

Este componente não precisa necessariamente ser trocado junto com as pastilhas. Porém, é muito importante que os discos de freio também passem por manutenções frequentes.

Uma alternativa para a troca dos discos é a realização de um recondicionamento dos componentes, também conhecido como “dar passe”.

Entretanto, ele só poderá ser realizado caso o disco esteja com espessura dentro do limite. Caso o mesmo esteja superaquecido ou com espessura próxima do nível mínimo recomendado, o procedimento não deve ser realizado. 

A espessura mínima de cada veículo estará gravado no disco do carro, logo, essa avaliação deverá ser realizada por um profissional responsável. O mecânico deverá então medir o componente com um paquímetro ou com um micrômetro e avaliar se é possível fazer o passe. 

Banner no artigo "Freios de carro" para formulário de perguntas ao mecânico

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *